Menu de acessibilidade. Ao pressionar a tecla tab você navegará pelos atalhos que permitem acessar áreas do site. Acessar conteúdo principal, atalho ctrl shift 1. Acessar formulário de pesquisa, atalho ctrl shift 2. Acessar menu, atalho ctrl shift 3. Acessar mapa do site, atalho ctrl shift 4. Para voltar ao menu de acessibilidade tecle ctrl shift 0.
Acessibilidade Alto contraste
+
Tamanho de texto

Ctrl/Cmd + para aumentar

Ctrl/Cmd - para diminuir

Ctrl/cmd 0 para voltar ao padrão

Ministério Público do Estado do Tocantins

Destaque

MPE participa de workshop internacional sobre a bacia do Tocantins

Daianne Fernandes


Representando o Ministério Público Estadual (MPE), o Procurador de Justiça José Maria da Silva Júnior, participou do workshop “Rios, Terras e Culturas: Aprendendo com o Sistema Socioecológico do Tocantins”, realizado pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) em parceria com outras universidades federais e internacionais, nesta terça e quarta-feira, 15 e 16.


O Procurador compôs o Painel de Atores Sociais cujo tema foi “Águas, rios e valores: diálogos e futuros para a bacia do Tocantins”, onde falou da experiência de atuação do MPE nos processos de implantação das Hidrelétricas na bacia do rio Tocantins, desde a UHE Serra da Mesa (GO), em atuação com o MPF/TO e MPF/GO, até as UHEs de Lajeado, Peixe-Angical, São Salvador e Estreito (TO e MA), abordando as instâncias de negociação criadas para garantir a discussão das demandas previstas e as que surgiram ao longo da implantação dos empreendimentos.


Discorreu sobre a dificuldade de atuação do MPE na configuração da territorialidade das Comarcas, hoje fragmentada e pulverizada, ressaltando as novas formas de atuação existentes como as Promotorias de Justiça Regionais por bacia hidrográfica, inclusive com proposta para a sua criação no MPE. “Temos por base as experiências dos MPs de Minas Gerais e da Bahia, onde as promotorias possibilitaram uma atuação ministerial mais proativa no acompanhamento eficiente na defesa dos recursos hídricos, florestais, da fauna e do licenciamento ambiental dos empreendimentos potencialmente poluidores”, frisou.


O painel também contou com a participação de Paulo Xerente, da Comunidade Xerente; Judite Rocha, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB); Luisa Sangol, do MPF da Bahia; e Henrique Paiva de Paula, da Agência Nacional de Energia Elétrica. Teve como foco a abordagem das estratégias utilizadas para garantir a participação dos atingidos na discussão das soluções propostas nos planos básicos ambientais, com vistas à mitigação e compensação dos impactos socioambientais decorrentes das obras e alagamentos.


Parceiras

Universidade Federal de Rondônia (UNIR); Universidade Federal do Pará (UFPA); Universidade de São Paulo (USP), Centro de Estudos Latino-americanos (CELA), Programa de Conservação e Desenvolvimento Tropical (TCD); Universidade da Flórida (UF) e Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).




Publicado em