Menu de acessibilidade. Ao pressionar a tecla tab você navegará pelos atalhos que permitem acessar áreas do site. Acessar conteúdo principal, atalho ctrl shift 1. Acessar formulário de pesquisa, atalho ctrl shift 2. Acessar menu, atalho ctrl shift 3. Acessar mapa do site, atalho ctrl shift 4. Para voltar ao menu de acessibilidade tecle ctrl shift 0.
Acessibilidade Alto contraste
+
Tamanho de texto

Ctrl/Cmd + para aumentar

Ctrl/Cmd - para diminuir

Ctrl/cmd 0 para voltar ao padrão

Ministério Público do Estado do Tocantins

Destaque

Bêbes prematuros do Hospital Dona Regina recebem polvos de crochê feitos por servidores do MPE

Informações/Ascom Sesau


Na véspera do natal, 46 bebês prematuros internados no Hospital e Maternidade Dona Regina ganharam um brinquedinho feito com muito carinho para eles. São polvos de crochê confeccionados por servidores voluntários do Ministério Público Estadual (MPE)


A servidora do MPE Luciane Garcia falou sobre o projeto na instituição. “Todo ano temos a semana da saúde no MPE, por isso, este ano pensamos em desenvolver essa ação e todos abraçaram a causa. Tivemos cinco oficinas para conseguir confeccionar todos os polvos, com material doado pelos próprios servidores” explicou.


O polvo de crochê é importante no sentido de levar o lúdico para a maternidade. É importante salientar que o brinquedo não é usado de forma terapêutica, como explicou a tutora do método canguru do hospital e maternidade Dona Regina, Helen Manzano. “Chegou a ser divulgado que o contato do bebê com tentáculos do polvo simulariam o contato com o cordão umbilical. Contudo, as evidências mostram que o cordão umbilical, a placenta e as paredes uterinas oferecem outros estímulos como sensações, pulsações e sons, o polvo não remete a isso. Para essa forma terapêutica existe o método canguru na maternidade”.


A tutora ressaltou que o contato pele a pele entre mãe e bebê deve ser a alternativa utilizada, pois reforça o vínculo entre eles e garante um bom desenvolvimento para os prematuros. “O Método Canguru reúne diretrizes de cuidado e atenção a recém-nascidos internados em unidades neonatais, utilizando os melhores conhecimentos científicos acerca de suas especialidades e das necessidades de cuidado envolvendo os pais e famílias”.


Ainda segundo ela, o polvo é um brinquedo, que traz um bem-estar, até para a mãe, como se fosse um brinquedinho que ela mesma teria em casa. E foi por isso que a Synthia Carvalho, mãe do pequeno Samuel, prematuro de 34 semanas, adorou a ideia. Ela reservou um cantinho especial na incubadora do Samuel, para colocar o polvo. “Eu amei, achei uma ideia linda, chegou em boa hora”, disse a mamãe.


Todos os polvos foram esterilizados e os bebês podem levar para casa. Outros bebês que nascerão também ganharão polvos, já que a intenção dos servidores do Ministério Público Estadual é continuar com a confecção do brinquedo.

Publicado em