Menu de acessibilidade. Ao pressionar a tecla tab você navegará pelos atalhos que permitem acessar áreas do site. Acessar conteúdo principal, atalho ctrl shift 1. Acessar formulário de pesquisa, atalho ctrl shift 2. Acessar menu, atalho ctrl shift 3. Acessar mapa do site, atalho ctrl shift 4. Para voltar ao menu de acessibilidade tecle ctrl shift 0.
Acessibilidade Alto contraste
+
Tamanho de texto

Ctrl/Cmd + para aumentar

Ctrl/Cmd - para diminuir

Ctrl/cmd 0 para voltar ao padrão

Ministério Público do Estado do Tocantins

Destaque

Réu é condenado a 21 anos de reclusão no primeiro julgamento por feminicídio na Comarca de Ananás


Flávio Herculano


O primeiro caso de feminicídio da Comarca de Ananás foi a júri na quarta-feira, 16, resultando na condenação do réu Israel Rodrigues da Silva a pena de 21 anos de reclusão, a ser cumprida em regime inicialmente fechado, sem possibilidade de recorrer em liberdade. Ele confessou ter assassinado sua companheira Ivoneide Vieira dos Santos na noite de 31 de março de 2017.


O Tribunal do Júri acatou as teses de acusação apresentadas pelo Ministério Público Estadual (MPE), reconhecendo como qualificadoras para o crime, além do feminicídio, a motivação fútil, o emprego de recurso que impossibilitou a defesa da vítima e a prática de asfixia por estrangulamento.


Segundo a acusação, Israel Rodrigues cometeu o crime para que pudesse negociar uma área rural de propriedade do casal, já que Ivoneide Vieira estava resistente à venda. Ele aproveitou-se do momento em que a companheira dormia para estrangulá-la com uma corda, fato que causou sua morte por asfixia, conforme aponta laudo pericial. Não houve discussão entre eles na noite do crime.


Ainda de acordo com a acusação, Ivoneide sofria constantes ameaças de morte por parte de seu companheiro e, inclusive, havia brigas ente eles em razão da resistência da vítima em vender o imóvel rural.


O casal possuía dois filhos, de 8 e 6 anos de idade. Ivoneide Vieira tinha mais uma filha, adolescente, de 13 anos.


A acusação do réu durante a sessão do Tribunal do Júri foi realizada pelos promotores de Justiça Celsimar Custódio Silva e Guilherme Cintra Deleuse. Após o conselho de sentença reconhecer a autoria e as quatro qualificadoras do crime, a pena de 21 anos de reclusão foi estabelecida pelo juiz Vandré Marques e Silva.


Publicado em