Menu de acessibilidade. Ao pressionar a tecla tab você navegará pelos atalhos que permitem acessar áreas do site. Acessar conteúdo principal, atalho ctrl shift 1. Acessar formulário de pesquisa, atalho ctrl shift 2. Acessar menu, atalho ctrl shift 3. Acessar mapa do site, atalho ctrl shift 4. Para voltar ao menu de acessibilidade tecle ctrl shift 0.
Acessibilidade Alto contraste
+
Tamanho de texto

Ctrl/Cmd + para aumentar

Ctrl/Cmd - para diminuir

Ctrl/cmd 0 para voltar ao padrão

Ministério Público do Estado do Tocantins

Destaque

Parcelamentos Irregulares serão alvo de operação do MPE e órgãos fiscalizadores

Daianne Fernandes


O Ministério Público Estadual (MPE) realizou, nesta quinta-feira, 12, audiência administrativa com diversos órgãos fiscalizadores, para tratar de possíveis parcelamentos irregulares de solo na zona rural de Palmas. O objetivo é montar uma estratégia de atuação para fiscalizar esses empreendimentos, identificando, in loco, as irregularidades, a fim de que sejam tomadas as medidas necessárias para sanar o problema.


Segundo levantamento do Centro de Apoio Operacional de Urbanismo, Habitação e Meio Ambiente (Caoma), ficou constatada a existência de 242 loteamentos irregulares situados em zona rural e em Áreas de Preservação Permanente.


Segundo a Promotora de Justiça Kátia Gallieta, esta iniciativa surgiu após denúncias de proprietários de terra no local. A Promotoria abriu procedimentos preparatórios e agora deve instaurar inquéritos civis para continuar com as investigações. “Estamos aqui para sensibilizar os órgãos sobre o tamanho do problema e a necessidade de atuar nessa questão de forma urgente”, frisou.


O Microparcelamento na Zona Rural é ilegal e pode trazer problemas urbanos, sociais e ambientais graves para o município. “Problemas que podem afetar o abastecimento de água e o cinturão verde de Palmas, por exemplo”, destacou a Dra. Marli Santos, analista do Caoma.


Com as informações em mãos, os promotores de Justiça Kátia Gallieta e Pedro Geraldo Aguiar, além dos representantes do Caoma, da Delegacia de Meio Ambiente (Dema), Guarda Metropolitana e Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), definiram um planejamento de atuação, ficando estabelecido para os próximos dias um levantamento dos loteamentos que já foram embargados pelo poder público municipal.


O Naturatins também se comprometeu a relatar quais dos loteamentos possuem Cadastro Ambiental Rural (CAR). A próxima etapa é delimitar as ações da operação e suas consequências, para então ir a campo.


A Promotora ainda deve requerer informações à Fundação Municipal AAde Meio Ambiente de Palmas, sobre possíveis processos instaurados contra os proprietários dos loteamentos identificados, bem como ao Instituto de Terras do Tocantins (Itertins) sobre a propriedade dos loteamentos, entre outras ações.








Publicado em