Menu de acessibilidade. Ao pressionar a tecla tab você navegará pelos atalhos que permitem acessar áreas do site. Acessar conteúdo principal, atalho ctrl shift 1. Acessar formulário de pesquisa, atalho ctrl shift 2. Acessar menu, atalho ctrl shift 3. Acessar mapa do site, atalho ctrl shift 4. Para voltar ao menu de acessibilidade tecle ctrl shift 0.
Acessibilidade Alto contraste
+
Tamanho de texto

Ctrl/Cmd + para aumentar

Ctrl/Cmd - para diminuir

Ctrl/cmd 0 para voltar ao padrão

Ministério Público do Estado do Tocantins

Destaque

Congresso de combate à corrupção reúne Procuradores e Promotores brasileiros em Brasília

Daianne Fernandes


O “Enfrentamento da Corrupção pela sintonizada investigação criminal e cível” foi o tema da palestra de abertura do Congresso de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro, promovido pelo Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais dos Ministérios Públicos dos Estados e da União (CNPG) e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), em Brasília (DF), no último dia 30.


A palestra foi apresentada pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Rogério Schietti Machado Cruz, que abordou os cuidados que os membros do MP devem ter com relação à investigação, a fim de evitar possíveis nulidades na difícil etapa de apuração de fatos criminosos.


As técnicas de entrevista e de interrogatórios aplicadas à atividade do Ministério Público, a tecnologia da informação e a investigação criminal foram temas abordados durante o evento, que reuniu Promotores e Procuradores de Justiça de todo o país. Representando o Ministério Público do Tocantins (MPTO), o Promotor de Justiça integrante do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Alzemiro Wilson Peres Freitas, participou do Congresso.


Segundo o presidente do CNPG e Procurador-Geral de Justiça do Ministério Público catarinense, Sandro José Neis, a iniciativa foi motivada pelos anseios da sociedade. Citou como exemplo uma pesquisa segundo a qual 82% da população considera o Brasil como um dos países mais corruptos do mundo e citou que a ONU contabiliza que cerca de 200 bilhões de reais por ano são desviados dos cofres públicos brasileiros, valor maior que o orçamento da saúde e da educação juntos.


Publicado em