Menu de acessibilidade. Ao pressionar a tecla tab você navegará pelos atalhos que permitem acessar áreas do site. Acessar conteúdo principal, atalho ctrl shift 1. Acessar formulário de pesquisa, atalho ctrl shift 2. Acessar menu, atalho ctrl shift 3. Acessar mapa do site, atalho ctrl shift 4. Para voltar ao menu de acessibilidade tecle ctrl shift 0.
Acessibilidade Alto contraste
+
Tamanho de texto

Ctrl/Cmd + para aumentar

Ctrl/Cmd - para diminuir

Ctrl/cmd 0 para voltar ao padrão

Ministério Público do Estado do Tocantins

Destaque

Trabalho do Fórum Tocantinense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos é apresentado em encontro


Flávio Herculano


O Procurador de Justiça José Maria da Silva Júnior ministrou palestra no 2º Fórum de Vigilância em Saúde Ambiental e do Trabalhador, nesta terça-feira, 5, em Palmas. Seu tema foi a apresentação do trabalho desenvolvido pelo Fórum Tocantinense de Combate aos Impactos do Agrotóxicos, um grupo integrado por 22 instituições e que tem o representante do Ministério Público Estadual (MPE) como coordenador.


José Maria explicou que o Fórum foi criado em março de 2016 com o objetivo de integrar e promover ações articuladas entre as instituições públicas e os organismos da sociedade civil que possuem atuação relacionada aos impactos dos agrotóxicos.


O Fórum Tocantinense possui três comissões temáticas, nas áreas de fiscalização e monitoramento; impactos à saúde e ao meio ambiente e alternativas sustentáveis; e pesquisa, informação e políticas públicas.


O coordenador do Fórum Tocantinense falou sobre as dificuldades enfrentadas nesta área no Estado do Tocantins, entre as quais citou o fato de não existir laboratório local para análise da presença de agrotóxicos nos alimentos, nos recursos hídricos e no solo; de só haver duas centrais e 11 pontos móveis de recolhimento das embalagens vazias de agrotóxicos; de a legislação estadual existente ser desatualizada; e de haver deficiências no monitoramento da pulverização aérea de agrotóxico e nos diagnósticos dos casos de intoxicação.


Além disso, segundo pontuou José Maria da Silva Júnior, que boa parte dos produtores de pequeno porte aplicam o produto químico sem estar com os equipamento de proteção individuais necessários.


Apesar destas e de outras dificuldades, o coordenador falou que o Fórum Tocantinense de Combate aos Impactos do Agrotóxico já conseguiu alguns avanços, a exemplo da realização de operações conjuntas de fiscalização e monitoramento e do apoio à estruturação do Laboratório de Química da Universidade Federal do Tocantins, que realizará análises em alimentos, na água e no solo. Ressaltou, ainda, os esforços para a priorização da elaboração de planos municipais de vigilância a populações expostas a agrotóxicos em seis municípios tocantinenses (Palmas, Pedro Afonso, Lagoa da Confusão, Porto Nacional, Campos Lindos e Peixe).


Abertura

Realizado no auditório do Tribunal de Contas do Estado (TCE), o 2º Fórum de Vigilância em Saúde Ambiental e do Trabalhador tem como tema “Agrotóxicos: saúde, trabalho e meio ambiente”.


Da parte do MPE, a Promotora de Justiça Maria Roseli de Almeida Pery também participou da solenidade de abertura, onde destacou a importância de instituições e profissionais se reunirem para discutir a fundo os impactos do uso agrotóxicos. Ela sugeriu que, no Fórum, fossem deliberadas estratégias de atuação, para que o conhecimento gerado no encontro possa repercutir positivamente nos indicadores de saúde do Estado do Tocantins.

Publicado em