Menu de acessibilidade. Ao pressionar a tecla tab você navegará pelos atalhos que permitem acessar áreas do site. Acessar conteúdo principal, atalho ctrl shift 1. Acessar formulário de pesquisa, atalho ctrl shift 2. Acessar menu, atalho ctrl shift 3. Acessar mapa do site, atalho ctrl shift 4. Para voltar ao menu de acessibilidade tecle ctrl shift 0.
Acessibilidade Alto contraste
+
Tamanho de texto

Ctrl/Cmd + para aumentar

Ctrl/Cmd - para diminuir

Ctrl/cmd 0 para voltar ao padrão

Ministério Público do Estado do Tocantins

Destaque

Liminar expedida a pedido do MPE determina a correção de irregularidades no atendimento do Hospital de Referência de Dianópolis


Flávio Herculano


A Justiça acatou pedido do Ministério Público Estadual (MPE) e expediu liminar que obriga o Estado do Tocantins a corrigir uma série de irregularidades que vêm comprometendo o atendimento médico-hospitalar no Hospital de Referência de Dianópolis.


O prazo para a adoção das providências é de 90 dias. Para o caso de descumprimento, foi estabelecida multa diária de R$ 10 mil, limitada ao total de R$ 300 mil.


A Ação Civil Pública que pede a regularização dos serviços na unidade hospitalar é fundamentada em relatório de vistoria do Conselho Regional de Medicina (CRM), o qual descreve um quadro de insuficiência de profissionais para a composição da escala médica, precariedade da estrutura física e de escassez de medicamentos e equipamentos.


Segundo é apontado, a realidade encontrada pelo CRM no Hospital de Referência de Dianópolis afronta as normas e os parâmetros técnicos que regem o funcionamento desse tipo de unidade de saúde, fato que compromete a qualidade e a segurança dos serviços prestados aos pacientes.


Desde abril, a escala médica só contempla um médico no plantão, quantidade considerada inadmissível para um hospital de referência. Além disso, só há plantão com cirurgião disponível em um dia da semana e não há cobertura de obstetra e de pediatra nas 24 horas do dia.


Diante da escassez de profissionais médicos, foi registrado um alto índice de transferência de pacientes para outros municípios, mesmo o hospital sendo de referência, sendo quase 80% das transferências correspondem à área de obstetrícia.


Ainda de acordo com o relatório do CRM que embasou a Ação Civil Pública, o Hospital de Referência de Dianópolis não possui diretor técnico e diretor clínico, cuja contratação é obrigatória; não há profissional para expedir laudos dos exames de mamografia, além de existir uma série de deficiências relativas a equipamentos e à estrutura.


A Ação Civil Pública que requer a regularização do Hospital de Referência de Dianópolis foi proposta pela Promotora de Justiça Maria Roseli de Almeida Pery, da área de defesa da saúde pública, em outubro deste ano. A liminar que determina as providências foi expedida pela juíza Silvana Maria Parfieniuk, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Palmas.


O Hospital de Referência de Dianópolis possui grande fluxo de atendimentos, tendo sido registrados 12.287 atendimentos de urgência e emergência e 626 internações no período compreendido entre 1º de janeiro e 30 de junho deste ano.

Publicado em