Menu de acessibilidade. Ao pressionar a tecla tab você navegará pelos atalhos que permitem acessar áreas do site. Acessar conteúdo principal, atalho ctrl shift 1. Acessar formulário de pesquisa, atalho ctrl shift 2. Acessar menu, atalho ctrl shift 3. Acessar mapa do site, atalho ctrl shift 4. Para voltar ao menu de acessibilidade tecle ctrl shift 0.
Acessibilidade Alto contraste
+
Tamanho de texto

Ctrl/Cmd + para aumentar

Ctrl/Cmd - para diminuir

Ctrl/cmd 0 para voltar ao padrão

Ministério Público do Estado do Tocantins

Destaque

Com Umanizzare fora da administração prisional, MPE requisita informações ao governo do Estado sobre continuidade dos serviços

Denise Soares



O Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria de Justiça de Execução Penal da Capital, encaminhou ofícios nesta sexta-feira, 01, em carácter de emergência, ao Governador do Estado, Marcelo de Carvalho Miranda; ao Secretário de Estado de Cidadania e Justiça, Glauber de Oliveira Santos; ao Superintendente do Sistema Penitenciário, Renato Mendes Arantes, e ao Procurador da Umanizzare, Waldson Moreira Júnior, requisitando informações quanto à continuidade dos serviços nas unidades prisionais e acerca da situação em que foram entregues a Casa de Prisão Provisória de Palmas e a Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota pela administradora Umanizarre.


Os pedidos de informação são necessários em razão do fim do contrato entre a Umanizzare Gestão Prisional e Serviços, empresa responsável pela administração das referidas unidades prisionais, e o Governo do Estado, finalizado nesta quinta-feira, 30 de novembro. O rompimento é resultado de decisão judicial que julgou procedente a Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público, na qual foram apontadas diversas ilegalidades nos referidos contratos de terceirização.


De acordo com o Promotor de Justiça Alzemiro Peres Freitas, neste período de transição da retomada dos serviços, o governo do Estado não tem demonstrado efetiva capacidade de assegurar a manutenção dos serviços que até então vinham sendo realizados pela empresa terceirizada. “Situação que deixa os presos em situação de vulnerabilidade e gera iminente risco de eclosão de rebeliões”, explicou.


Com a nova situação instalada, o MPE requer que os representantes do Governo encaminhem, em até 24 horas, informações acerca das medidas a serem tomadas para assegurar a plena manutenção dos serviços essenciais. Já o Procurador da Umanizzare deverá prestar, também em 24 horas, esclarecimentos acerca da situação atual e das condições em que as unidades serão entregues ao Estado, além de fornecer cópia da prestação de contas e do levantamento patrimonial das unidades prisionais.

Publicado em