Menu de acessibilidade. Ao pressionar a tecla tab você navegará pelos atalhos que permitem acessar áreas do site. Acessar conteúdo principal, atalho ctrl shift 1. Acessar formulário de pesquisa, atalho ctrl shift 2. Acessar menu, atalho ctrl shift 3. Acessar mapa do site, atalho ctrl shift 4. Para voltar ao menu de acessibilidade tecle ctrl shift 0.
Acessibilidade Alto contraste
+
Tamanho de texto

Ctrl/Cmd + para aumentar

Ctrl/Cmd - para diminuir

Ctrl/cmd 0 para voltar ao padrão

Ministério Público do Estado do Tocantins

Destaque

#18deMaio: MPE apoia ações de enfrentamento da violência sexual de crianças e adolescentes

#18deMaio: MPE apoia ações de enfrentamento da violência sexual de crianças e adolescentes


João Lino Cavalcante


O Ministério Público Estadual (MPE), por meio do Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Infância e Juventude (Caopij), é parceiro de uma série de atividades que serão realizadas nos municípios do Tocantins em alusão ao 18 de Maio: Dia Nacional de Combate à Violência Sexual de Crianças e Adolescentes. Fôlderes e cartazes foram distribuídos aos mobilizadores locais para a divulgação da campanha.


Em Guaraí, por exemplo, as atividades tiveram início nesta segunda-feira, 15, e seguem durante toda a semana, com debates em programas de rádio e televisão. Já no município de Barrolândia, será realizado um seminário municipal sobre a violência sexual.


Como parte da programação, a Promotora de Justiça Ruth Viana ministrará palestra à população de Monte do Carmo, nesta terça-feira, 16.


Saiba Mais

A luta contra a violência sexual de crianças e adolescentes ganhou um reforço com a Lei 13.431, de 12 abril de 2017. Ela estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência sexual e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).


A violência institucional, entendida como aquela praticada por instituição pública ou conveniada, é outro avanço trazido pela lei, que considera tal prática como conduta criminosa, inclusive quando gerar revitimização. Outra novidade é a determinação de que a criança e o adolescente serão ouvidos sobre a situação de violência por meio de escuta especializada e depoimento especial.

Publicado em